Medos

A odiosa mania dos pais de assustar os filhos e fazê-los obedecer


Os pais, ou melhor, os adultos em geral, têm a má mania de assustar crianças pequenas, principalmente para fazê-las obedecer mais. Quase sempre perguntando e falando com eles da chantagem, lançamos frases como: 'Você vai ficar sozinho e a polícia virá buscá-lo' ou 'Vamos agora, eles vão apagar todas as luzes' ou 'Vou levar você ao banheiro. ratos'. E então, você pode ter ouvido tantas frases quanto os pais imaginam. E o pior de tudo, infelizmente essas mensagens não ajudam no desenvolvimento educacional da criança.

Na verdade, muito pelo contrário. As consequências do uso dessa estratégia na educação das crianças podem ser prejudiciais. E, em última análise, o que obtemos são crianças medrosas, inseguras, com baixa autoestima e pouca autoaceitação.

E para que vejam o que quero dizer com as consequências dessa mania que alguns pais têm de assustar os filhos, vou contar-lhes a minha experiência com Pablo, um rapaz com quem trabalhei.

Seus pais me ligaram preocupados e o trouxeram para ver o caso. O motivo da angústia dos pais se devia ao fato de que, da transição da fase infantil para a escola primária, Pablo desenvolveu medo e Eu chorava toda vez que ia para a escola.

O menino me disse com suas palavras que ele ficou muito nervoso quando foi para a escola; que ele estava inquieto. Falei com os pais caso houvesse algum outro sintoma que pudesse nos fazer pensar que o pequeno estava sofrendo de algum tipo de bullying ou algum choque. Mas, pelo que me contaram, não havia referências, então procurei encontrar outros possíveis motivos que estivessem causando esse medo.

Então, o próximo passo foi conversar mais calmamente com o Pablo. Comecei a perguntar a ele e descobri parte de seu medo. Pablo é, no momento, filho único e neto único, o que o faz receber a atenção da família em todos os momentos.

Dois meses após o término da etapa da educação infantil, os pais e avós (certamente não decidiram em conjunto, mas decidiram) começaram a conversar com a criança sobre a passagem da etapa para o ensino fundamental. O conselho que eles mais repetiram estava relacionado a precauções a tomar na nova escola para tudo o que ia ser encontrado lá: 'cuidado para que vás à escola dos mais velhos', 'cuidado com os filhos mais velhos que são maus', 'não mexe com ninguém no quintal', 'terá que se defender de obter sucesso ',' você tem que ser bom ', etc.

Obviamente, Pablo encontrou algumas mensagens assustadoras que a assustaram o suficiente para não querer ir à escola; ele estava apavorado. Depois disso, trabalhamos com os pais para mudar o discurso e foi assim que Pablo começou a tirar seus medos e ir para a escola feliz como qualquer criança.

O que essa pequena experiência com Pablo pode nos ensinar? Explique que alertar seu filho sobre novos cenários que podem ser encontrados, não é feito por medo. As consequências disso podem levar a:

- Que a criança desenvolve insegurança e deixa de confiar em si mesma.

- Que nosso filho está criando um problema de baixa autoestima.

- E que, como Pablo, desenvolvam medos (e até fobias em certos casos) que os fazem sofrer antes e no momento em que têm que enfrentar a situação em questão que os angustia.

Portanto, devemos monitorar os comentários que fazemos às crianças (muitas vezes nem nos damos conta das repercussões que podem ter sobre elas). Nesse caso, a melhor maneira de agir é ajudar a criança a adquirir algunsrecursos que permitem que você enfrente esta situação. Mesmo em alguns casos, quando possível, visualizar o que encontrar pode ser uma boa ideia.

Você pode ler mais artigos semelhantes a A odiosa mania dos pais de assustar os filhos e fazê-los obedecer, na categoria de Medos no local.


Vídeo: Dependência Afetiva e Relacionamento Abusivo: Como Identificar? (Dezembro 2021).