Valores

Dermatite atópica. Companheiros de infância


Embora a dermatite atópica possa surgir em qualquer fase da vida, ela predomina em crianças com menos de 7 anos de idade. O assim chamado dermatite infantil - até 24 meses - tem predileção pelas bochechas, as dobras do cotovelo, os punhos, o dorso das mãos e o queixo.

Entre 2 e 14 anos, migra para se localizar nas dobras de flexão: pescoço, axilas e virilha. Posteriormente, manifesta-se principalmente na boca, pálpebras e dorso das mãos.

O sintoma que dispara o alarme é uma coceira intensa e exasperante que altera significativamente o sono e a qualidade de vida, induzindo até anorexia.

Outro sintoma são áreas esbranquiçadas e levemente escamosas de formato arredondado ou oval na face, parte superior do tronco e superfície externa das extremidades. E crostas, pele seca, pápulas, descamação na planta dos pés ou entre os dedos dos pés e uma dupla ou tripla prega na região palpebral.

Seu aparecimento se deve a uma predisposição genética (se um dos pais sofre com isso, a criança tem 50 por cento de chance) e fatores ambientais (alérgenos, temperaturas extremas ...). As substâncias mais suspeitas de causar surtos são anti-histamínicos, neomicina e sulfa, bem como perfumes e certos conservantes ou estabilizantes. E muitos especialistas acham que é devido ao excesso de higiene, que deixa a pele desprotegida.

A prevalência triplicou nos últimos 30 anos nos países industrializados e É no verão que as consultas são duplicadas porque as lesões tornam-se mais marcantes ao contrastar com a pele bronzeada. A dermatite plantar em crianças e adolescentes também é acentuada pelo atrito contínuo da pele já predisposta na sola do sapato em pés superaquecidos pelo calor. E à medida que evolui por meio de surtos, as mudanças na temperatura e no local e a exposição a novos agentes ambientais são agravantes.

Não existe um tratamento que garanta a cura definitiva da dermatite atópica, mas, segundo o Dr. José Carlos Moreno, chefe de dermatologia do Hospital Reina Sofia de Córdoba e vice-presidente do Academia Espanhola de Dermatologia, pode ser aliviado com hidratação correta e tratamento de choque com corticosteroides. “Ultimamente, tem sido observada uma grande relutância de pacientes, familiares e até médicos não especialistas ao uso de corticosteroides tópicos e é um erro grave, por ser o melhor tratamento”, diz Moreno.

'Imunomoduladores tópicos e tratamento de manutenção durante surtos menos graves com inibidores da calcineurina também funcionam. Quando essas medidas tópicas falham, existem tratamentos sistêmicos muito eficazes - corticosteroides, imunossupressores, imunoglobulinas intravenosas e terapias biológicas ”, acrescenta.

Paralelamente à maturação do sistema imunológico, os surtos se espalham: há possibilidade de melhora em torno de 2 anos e cura espontânea em torno de 7, mas a tendência para secar a pele será preservada. Por volta das 10, em muitos casos o eczema desaparece, mas a asma pode aparecer. O sol geralmente favorece remissões espontâneas.

Se houver história de doença atópica na família, é preferível amamentar nos primeiros meses de vida do bebê (a mãe evitando leite, ovos e peixes) e diversificar a alimentação o mais tardiamente possível.

Fonte consultada:
- abc.es.Teresa de la Cierva

Você pode ler mais artigos semelhantes a Dermatite atópica. Companheiros de infância, na categoria Cuidados com a pele no local.


Vídeo: Tratamento tópico da dermatite atópica - O que o pediatra precisa saber (Dezembro 2021).