Valores

O parto humanizado respeita os direitos da mãe e da criança


Quando fiquei grávida, confiei na minha ginecologista, que me aconselhou, e também na minha mãe, que me documentou enviando artigos que viu na Internet.

Diante da decisão de como seria meu parto, optei por ter minha filha em um parto como eu a conhecia: em um ambiente hospitaleiro, porque isso me deu mais confiança. Então, eu não sabia que mesmo algumas clínicas ofereceram um parto ainda mais satisfatório, muito tempo depois ouvi falar do parto humanizado que é praticado tanto em casa como em hospitais.

Quando minha filha tinha dois anos, comecei a trabalhar no setor saúde. É onde eu ouvi sobre entrega humanizada. Naquela época, eu pensava que era apenas o Parto em casa ou aquele que está debaixo d'água, que por uma questão pessoal não era minha opção antes dar a luz.

Quando me explicaram de fato que também poderia ser realizado em instituições hospitalares e que na minha cidade havia clínicas na vanguarda nesse tipo de parto, fiquei surpreso e Eu gostaria de ter ouvido falar dele antes de ter minha filha.

Parto humanizado e respeitado é, como o próprio nome indica, aquele que respeita os direitos da gestante e do bebê e pode ser praticado em todas as instituições hospitalares após treinamento de sua equipe médica. Leva em consideração, entre outros, os seguintes aspectos.

1 - Empresa: a gestante pode escolher quem a acompanha no parto e no pós-parto.

2 - O bebê e sua mãe são inseparáveis: os vídeos são incríveis. Percebe-se como a criança ao nascer é colocada sobre a mulher e a criança busca alcançar, com ajuda, os seios maternos instintivamente. No parto humanizado, o binômio mãe-filho nunca é separado, a menos que a saúde de um dos dois seja comprometida. Esse contato pele a pele ajuda o bebê, regulando sua frequência cardíaca e temperatura, sua glicose no sangue e seu sistema imunológico. Além disso, os bebês separados da mãe sofrem de estresse.

3 - Corte o cordão umbilical: o cordão mantém o pulso por 3 a 4 minutos, tempo em que o sangue sai da placenta com uma quantidade significativa de ferro, hemoglobina e com benefícios neuronais de longo prazo, de forma que o cordão umbilical não deve ser cortado antes.

4 - Prazo de entrega: Exceto em casos médicos específicos, partos induzidos ou acelerados são desencorajados pela ruptura da bolsa ou por meio de medicamentos.

5 - Entrega natural: o parto normal traz imensos benefícios para a mãe e para a criança. Uma delas é o esvaziamento completo da água dos pulmões do bebê ao passar pelo canal vaginal, a mãe perde menos sangue e se recupera mais facilmente. A OMS diz que não devem ocorrer mais de 15% de cesáreas e o número em alguns países é de um em cada dois partos cesáreos. Nesse parto, a episiotomia ou ruptura do períneo para expulsão não é recomendada.

6 - A posição: Segundo o parto humanizado, a mãe deve ter o filho em uma posição mais natural para a expulsão, é aconselhável que agachar ou sentar é uma posição mais adequada do que deitada.

7 - Lactação: as mulheres são informadas durante a gravidez sobre os benefícios da amamentação e são fornecidas condições para que a mãe amamente seu filho desde as primeiras duas horas após o nascimento.

Apesar de o dia do nascimento de uma criança nunca ser esquecido, Se eu tivesse preferido aquele contato pele a pele com minha filha, que ela havia recebido o sangue da minha placenta até o fim e tinha mais informações sobre o que significava uma cesariana. Felizmente, tive a companhia do meu marido no parto e fui bem informada sobre os benefícios da amamentação e amamentei desde o primeiro momento até quase um ano. Então, mães, aqui estão essas informações para vocês saberem que existe uma outra forma de vivenciar o parto, mais humana e respeitada.

Você pode ler mais artigos semelhantes a O parto humanizado respeita os direitos da mãe e da criança, na categoria Entrega no local.


Vídeo: Parto humanizado é mais simples do que parece (Outubro 2021).