Valores

9 testes de diagnóstico na gravidez para detectar anormalidades no feto


Durante a gravidez, a principal preocupação da futura mãe é que tudo se desenvolve normalmente e seu bebê nasce saudável e forte. Para verificar se há alguma anormalidade, existem diversos testes diagnósticos ou exames pré-natais. Alguns não são invasivos, mas outros apresentam algum risco para o bebê e a mulher grávida.

Descubra esses 9 testes de diagnóstico na gravidez para detectar anormalidades no feto. Contamos o que cada um deles nos informa e como é feito.

Da maturação pulmonar do bebê às possibilidades de ter um distúrbio cromossômico. Existem vários testes que buscam detectar quaisquer anormalidades no feto precocemente. Em alguns casos, o diagnóstico precoce pode ajudar a resolver o problema.

Aqui está uma lista de 9 testes de diagnóstico na gravidez que são usados ​​para detectar qualquer tipo de anormalidade que pode afetar o bebê:

1. Ultra-som. O ultrassom é o teste mais usado durante a gravidez. Funciona por meio de ultrassons que conseguem captar uma imagem do bebê e mostram fatores determinantes com bastante segurança, como o nível de líquido amniótico, o comprimento do fêmur fetal, a formação de seus órgãos, a qualidade da placenta. Existem muitos tipos de ultra-sons. O mais comum é em duas dimensões (ultrassom 2D), embora haja cada vez mais centros que oferecem aos pais um ultrassom em três dimensões e até em quatro dimensões.

Para a grávida não é problema. É feito em maca com ultrassom e um pouco de gel que ajuda as ondas ultrassônicas a captar melhor o interior do útero.

2. A cultura de urina. É um teste de urina que é realizado na gestante para detectar vestígios de possíveis bactérias prejudiciais ao bebê. É realizado por meio do estudo microbiológico das amostras em laboratório. Esse teste pode detectar qualquer tipo de infecção urinária na gestante, bem como a presença de qualquer bactéria que deve ser combatida com antibiótico.

3. Amniocentese. É um teste invasivo para detectar doenças no feto, algumas genéticas, como a síndrome de Down. O teste consiste na extração de algum líquido amniótico. Para isso, uma agulha muito longa e fina é inserida na barriga da gestante. O líquido amniótico contém grande quantidade de material do bebê, como uma amostra de pele e cabelo, o que fornecerá informações valiosas, pois dessas amostras poderá ser extraído seu DNA completo. Este teste também fornecerá informações exatas sobre o sexo do bebê.

No entanto, é um teste que traz algum perigo para o bebê e para a mulher grávida. Na verdade, alguns abortos ainda ocorrem por causa desse teste diagnóstico. A gestante deve permanecer em repouso completo alguns dias após a realização da amniocentese.

4. O teste O'Sullivan. Este teste não é invasivo, embora seja um pouco incômodo para a gestante, que deve tomar um preparado de glicose e fazer dois exames de sangue (um antes de beber o preparado e outro depois). É usado para medir o açúcar no sangue da mãe e determinar se há diabetes gestacional. Se o resultado for positivo, a gestante deve mudar completamente seus hábitos alimentares, seguir uma dieta orientada pelo médico e praticar mais esportes.

6. Teste de maturação pulmonar ou teste quantusFLM. Este é um teste novo, ainda realizado em poucos hospitais, mas com tendência a se espalhar rapidamente. É usado para medir o grau de maturação dos pulmões do bebê, para saber se ele estaria pronto para nascer prematuro. É muito útil no caso de o parto ter que ser induzido. É feito por ultrassom 2D e é analisado por meio de um sistema de software instalado no computador.

7. Estudo do DNA fetal no sangue materno. Outro novo sistema para medir possíveis malformações genéticas é a análise do DNA no sangue da mãe. É realizado no primeiro trimestre, a partir da décima semana de gravidez, e atinge uma aproximação muito alta para determinar se o bebê sofre de síndrome de Down, Patau, Edwars e outras doenças cromossômicas. Além disso, eles podem descobrir exatamente o sexo do bebê. Entre suas grandes vantagens, está um simples exame de sangue, nada invasivo ou perigoso para a mãe e o bebê.

8. A triagem tripla. É um teste que combina exames de sangue e ultrassom. É realizado no primeiro trimestre da gravidez. É um exame de rastreamento, ou seja, nos dá uma aproximação das chances que o bebê tem de apresentar algum tipo de malformação ou doença como a Síndrome de Down. Por exemplo, o ultrassom mede o tamanho do fêmur e da prega nucal, o que dá uma avaliação dos riscos existentes para a presença da síndrome de Down.

9. Ultra-som Doppler. Este é um ultrassom colorido, que mostra o fluxo sanguíneo do bebê. Isso é muito importante, por exemplo, para verificar se há algum problema com o cordão umbilical. Ele também fornece informações valiosas sobre a circulação sanguínea no cérebro e no coração do bebê. Os resultados ajudam a aprender mais sobre o crescimento fetal.

Você pode ler mais artigos semelhantes a 9 testes de diagnóstico na gravidez para detectar anormalidades no feto, na categoria Estágios da gravidez no local.


Vídeo: Assistência Pré natal (Janeiro 2022).